Buscar

Com nova regra do STF, revisão da vida toda está encerrada

Via Migalhas

O impasse do julgamento da revisão da vida toda - que pela demora, faz jus ao nome - parece ter chegado ao fim nesta quinta-feira, 9. Isso porque o STF decidiu que serão mantidos os votos de ministros aposentados já proferidos em plenário virtual, mesmo após pedido de destaque.


Com a nova regra, segue válido o posicionamento do ministro Marco Aurélio no caso. Com outros 10 votos já proferidos, e placar de 6 a 5, a discussão está encerrada, faltando apenas proclamação do resultado em favor dos aposentados.


O debate sobre a nova regra se deu em questão de ordem levantada na ADIn 5.399 - processo em que se discutia legalidade de lei estadual que obrigava prestadores privados de serviço de telefonia a estender o benefício de novas promoções a cliente pré-existentes. No caso, o ministro Marco Aurélio já havia proferido voto. Deste modo, o ministro André Mendonça não participou da votação. A lei foi julgada inconstitucional. 


Mas, como se sabe, o cerne da questão sempre foi o tormentoso caso envolvendo a Previdência, que teve pedido de destaque do ministro Nunes Marques após todos os votos serem proferidos. Eventual reinício do caso em plenário físico daria ao atual relator, ministro André Mendonça, a possibilidade de voto, impactando no placar. Agora, a hipótese fica baldada.


O processo


Melhor explicando, o que ocorre é que, quando um processo está em julgamento no plenário virtual, os ministros podem pedir destaque. Quando isso se dá, o processo vai para julgamento físico (o velho e bom plenário) e o placar é zerado.


Em julgamento envolvendo os previdenciários no plenário virtual em 2021, o então relator Marco Aurélio desproveu o recurso do INSS e proferiu voto favorável aos aposentados para determinar que os recolhimentos realizados em período anterior a 1994 também deveriam ser apurados para fins de aposentadoria.


Ministro Nunes Marques deu início a entendimento divergente, ao ponderar que só deveriam ser consideradas contribuições previdenciárias que o segurado tenha feito após julho de 1994.


Os demais ministros se manifestaram e o placar ficou 6 a 5. O caso, portanto, parecia resolvido - mas apenas parecia, porque Nunes Marques pediu destaque, postergando a solução.


Ao final, com a decisão desta quinta, o "destaque" de Nunes Marques não deve ser capaz de mudar o resultado já definido em fevereiro. Assim, se nenhum ministro alterar o voto de última hora - e tudo indica que não o farão -, isso significa que o julgamento em questão está definido, faltando apenas a proclamação do resultado pelo presidente, ministro Luiz Fux.


Além da finalização deste emblemático processo, a nova regra impactará ao menos 21 processos adiados em plenário virtual por pedidos de destaque.


O que é a revisão da vida toda


O caso discute a possibilidade de serem consideradas todas as contribuições previdenciárias que o segurado tenha feito em sua vida profissional, incluindo as anteriores a julho de 1994.


No recurso extraordinário, a Corte examina se é possível considerar a regra definitiva no cálculo do salário de benefício quando esta for mais favorável do que a regra de transição aos segurados que ingressaram no RGPS - Regime Geral de Previdência Social até o dia anterior à publicação da lei 9.876, ocorrida em 26/11/99.


Advogado passa perrengue? Veja nessa mini série de 4 episódios


Essa lei ampliou gradualmente a base de cálculo dos benefícios, que passou a corresponder aos maiores salários de contribuição relativos a 80% de todo o período contributivo do segurado, em substituição à antiga regra, que determinava o valor do benefício a partir da média aritmética simples dos 36 últimos salários de contribuição anteriores ao afastamento do segurado da atividade ou da data da entrada do requerimento administrativo.


A nova lei também trouxe uma regra de transição, estabelecendo, em seu art. 3º, que, no cálculo do salário de benefício dos segurados filiados à Previdência Social até o dia anterior à sua publicação, o período básico de cálculo só abrangeria as contribuições vertidas a partir de julho de 1994, quando houve a estabilização econômica do Plano Real.


No STJ, os ministros decidiram a favor da regra mais favorável. Contra essa decisão, o INSS recorreu e o caso foi parar no STF. 


Em agosto de 2021, foi reconhecida a repercussão geral da matéria.




Maria Eduarda, de 15 anos, diz porque quer fazer Faculdade de Direito


Durante o episódio 2 do Podcast Perrengues na Advocacia a adolescente é questionada por seu pai, a razão pela qual quer fazer direito e a resposta é hilária. Veja nesse vídeo curto!

Para ver todos os episódios na íntegra, clique aqui.

Para ler outras matérias no blog, clique aqui.

Para perfil do advogado Marco Alves no Instagram, clique aqui.

Para ler o post original, clique aqui.



O que é a revisão da vida toda?


Você sabia que para as pensões concedidas após 1999, o INSS exclui pura e simplesmente os salários contributivos anteriores a julho de 1994, início do regime real? Sim, é descartado.


Como resultado, milhares de aposentados que contribuíam com altos salários antes de 1994 simplesmente jogavam fora seus recursos, o que resultava em uma perda de aposentadoria, que em muitos casos chegava a 60 % do valor mensal recebido.




Nela, o aposentado tenta reescrever o cálculo calculando os valores pagos antes de julho de 1994, aumentando assim sua renda mensal.


Quando ocorre a reforma da previdência, são criadas regras transitórias para os já contribuintes do INSS que minimizam o impacto da nova legislação.


INSS terá que indenizar família de segurado por erro administrativo


Essas regras nunca podem ser menos favoráveis ​​que a nova regra, ou seja, não podem prejudicar o assalariado mais do que a nova, que é mais severa.


Mas em muitos casos é perigoso.


Esta ação visa implementar uma regra permanente que inclui todas as doações. Em vez disso, é uma regra temporária que prejudica os aposentados.


O STF até então vem decidindo de forma favorável aos beneficiários e aposentados, corrigindo esse erro.


Para ter acesso ao Meu INSS, clique aqui.

Para outros canais de Marco Alves Sociedade de Advocacia, clique aqui.



117 visualizações
Escritório moderno

Para qualquer solicitação, preencha os campos no formulário abaixo:

Obrigado! Mensagem enviada.

selo4-d4s.png
whatsapp.png
QR GYN.png